Campanha Maria de Magdala 2022!

A meta é atingir R$ 1.000.000,00 para quitar a chácara Maria de Magdala!

Conheça o projeto e contribua para garantir o atendimento de mulheres de rua com dependência química!

 

A Casa Maria de Magdala foi aberta em junho de 2020, em pleno início da pandemia.

Esta instituição é o braço feminino da ONG Salve a Si e já acolheu mais de 134 mulheres com dependência química grave – entre gestantes, nutrizes com seus bebês e mulheres transexuais em situação de rua.

Neste espaço, as assistidas recebem o tratamento especializado que a ONG Salve a Si oferece, há mais de 13 anos, na sua unidade masculina, responsável por reabilitar mais de 10 mil homens neste período.

A unidade masculina tem sede própria, mas a feminina estava em funcionamento numa chácara alugada, até que, no final de 2021, o dono do imóvel pediu que o espaço fosse comprado ou devolvido imediatamente, sob o risco de desalojar as quase 30 internas que ali estavam. Para que isso não acontecesse, um dos voluntários da ONG vendeu a própria casa para manter o abrigo aberto, e este valor precisa ser restituído ao longo de 2022.

Assim, o objetivo da “Campanha Maria de Magdala 2022” é assegurar a aquisição da propriedade, ao sensibilizar e reunir pessoas que possam apoiar a campanha, ao longo do ano de 2022, com o objetivo de quitar a compra da chácara (R$ 1 milhão). Todos os meses, a ONG promoverá lives para atualizar o status de captação dos recursos.

Conheça o projeto e ajude a salvar pessoas e famílias inteiras! 

A Casa Maria de Magdala foi aberta em junho de 2020, em pleno início da pandemia.

Esta instituição é o braço feminino da ONG Salve a Si e já acolheu mais de 134 mulheres com dependência química grave – entre gestantes, nutrizes com seus bebês e mulheres transexuais em situação de rua.

Neste espaço, as assistidas recebem o tratamento especializado que a ONG Salve a Si oferece, há mais de 13 anos, na sua unidade masculina, responsável por reabilitar mais de 10 mil homens neste período.

A unidade masculina tem sede própria, mas a feminina estava em funcionamento numa chácara alugada, até que, no final de 2021, o dono do imóvel pediu que o espaço fosse comprado ou devolvido imediatamente, sob o risco de desalojar as quase 30 internas que ali estavam. Para que isso não acontecesse, um dos voluntários da ONG vendeu a própria casa para manter o abrigo aberto, e este valor precisa ser restituído ao longo de 2022.

Assim, o objetivo da “Campanha Maria de Magdala 2022” é assegurar a aquisição da propriedade, ao sensibilizar e reunir pessoas que possam apoiar a campanha, ao longo do ano de 2022, com o objetivo de quitar a compra da chácara (R$ 1 milhão). Todos os meses, a ONG promoverá lives para atualizar o status de captação dos recursos.

Você pode participar como doador ou disseminador!

 É possível entrar na campanha como madrinha ou padrinho da campanha, engajando-se na sensibilização de outras pessoas para apoiar a causa. Toda doação é muito bem-vinda!

TABELA DE DOAÇÕES

 Entre em contato

Envie um whatsapp para o Walter (61) 99981-7773 com a mensagem: “Quero apoiar a Campanha #MariadeMagdala2022 com a Opção 1, 2, 3, 4, 5 ou 6.”

DOCUMENTOS / RELATÓRIOS / EVENTOS / INFORMAÇÕES

~ PERGUNTAS FREQUENTES ~

Como serão destinados os valores arrecadados nesta campanha?
Trata-se de uma iniciativa à parte dos valores regularmente arrecadados com os mantenedores da casa, inclusive com uma conta corrente diferenciada. Os valores serão **exclusivamente** destinados para a quitação da propriedade onde funciona a unidade feminina da ONG Salve a Si – a Casa Maria de Magdala.
Como é feita a auditoria dos recursos que são arrecadados para a ONG Salve a Si?
A Diretoria da Entidade e a tesouraria, junto do escritório de contabilidade, fazem o controle e prestam contas aos órgãos regulatórios, tendo em vista que a ONG Salve a Si possui registro de entidade beneficente da assistência social em saúde do Ministério da Saúde – o CEBAS/SAÚDE – que garante a idoneidade da ONG para que ela possa celebrar contratos de assistência junto ao governo distrital e federal.
Qual a estrutura da casa e quantos funcionários atuam no local?
A Casa Maria de Magdala possui estrutura para acolher até 40 mulheres e 6 bebês, divididos em 10 suítes, além de: sala multiúso, refeitório, 2 cozinhas, 2 despensas, escritório, consultório, 2 piscinas, quadra de vôlei, campo de futebol, espaço zen, 2 tanques para criação de peixes, casa da equipe, estacionamento, banheiros para visitantes, sala de TV, lavanderia e coreto. No quadro de funcionários, há 10 profissionais contratados na casa, além de 13 voluntários que atuam diretamente junto às assistidas.
O imóvel da Casa Maria de Magdala está registrado em nome de quem?
A legislação é extremamente rigorosa quanto à especificação da propriedade das entidades filantrópicas, especialmente comunidades terapêuticas. O imóvel está em nome da Entidade e não pode ser vendido, alugado ou parcelado, somente ser doado para outra Entidade com os mesmos fins assistenciais, conforme determinação judicial em caso de falência ou fechamento.
Qual é o tratamento recebido pelas internas da Casa Maria de Magdala?
O modelo ofertado é o de acolhimento dentro dos moldes de Comunidade Terapêutica, na qual o carro-chefe da recuperação é a identificação entre os pares, mútua ajuda e terapias em grupo e individual, com foco no ser e não na doença da adicção.

Utilizamos técnicas modernas, por meio de equipe multidisciplinar que conta com: assistente social, psicóloga, pediatra, psiquiatra, aconselhamento terapêutico com os 12 passos dos Alcoólicos Anônimos (AA) e dos Narcóticos Anônimos (NA), além das atividades de autocuidado e gestão da casa, plantio orgânico e cuidado com os animais, entre outros. Nossas acolhidas participam, também, de programações holísticas, como meditação, Yoga, Reiki e outras, ministradas por voluntários assíduos e focados no cuidado do ser.

Somos ecumênicos, deixando acesso livre pra que líderes de diversas religiões interajam com as acolhidas que se identificam com cada uma das manifestações espirituais. Portanto, ofertamos um leque de ações por meio de profissionais que fazem da Salve a Si uma Comunidade Terapêutica diferenciada e pluralista no cuidado voluntário de mulheres com dependência química grave, sendo nossa Unidade a única do Centro-Oeste e uma das poucas em todo Brasil a acolher, no mesmo espaço, mães gestantes, mães nutrizes, transexuais, todas sem transtorno mental grave para reabilitação completa, por meio de adesão voluntária.

6) Como ocorre a reinserção dessas mulheres no convívio em sociedade?
Durante o processo terapêutico, focamos no projeto de vida após o acolhimento conosco. Trazemos a família das assistidas para o processo por meio das reuniões de Amor Exigente, que realizamos todos os sábados no nosso núcleo de cuidado das famílias em Brasília.

À medida que a família aprende a lidar com sua ente querida, acometida da dependência química, nós ensinamos nossas acolhidas a lidar com seus familiares codependentes, para que a reinserção social no retorno à família gere proteção, amparo e união, coibindo, assim, a volta ao uso de substâncias.

Outro fator importante são os cursos técnicos durante o tratamento para a geração de renda e autonomia, especialmente para aquelas acolhidas que não possuem residência ou família – sendo este o maior desafio. Nestes casos, encaminhamos as assistidas para a rede do Sistema Único de Assistência Social (SUAS), que atua na busca de moradia e empregabilidade, que é parte do Sistema de Seguridade Social, garantido pela Constituição Federal de 1988.

Marcas que acreditam na ONG Salve a Si: